quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

INSUBORDINAÇÃO CIVIL

Terá passado um mês desde a tomada de posse do novo director nacional da PSP, um operacional com currículo feito nas Forças Especiais.

Entretanto, tivemos a ocupação ilegal da Segunda Circular por parte de centenas de pessoas alegadamente solidárias com as três vítimas de um acidente automóvel de grande aparato.

E, ontem, após cerco de uma viatura da polícia, um cortejo motard dentro de um cemitério.

Cereja em cima do bolo, o líder da FENPROF tentou, já hoje, invadir o conselho de ministros que se realizou em Bragança.

Não sei o que o ministro da Administração Interna pensa destes actos de insubordinação civil. Mas desconfio que o país gostava de ser esclarecido.

FOLHA COVID-19


— Número de mortos em Itália subiu para 14.

— Espanha regista 15 casos positivos. Um deles afecta um homem que nunca saiu de Sevilha.

— A Arábia Saudita proibiu a entrada de peregrinos em Meca.

— Médicos, enfermeiros e outro staff do NHS (o SNS britânico) têm de cortar a barba para garantir um bom ajustamento das máscaras. Bigodes pequenos são permitidos.

— Com 18 casos confirmados e duas mortes, a França prepara-se para declarar epidemia.

— O Japão encerrou sine die todos os estabelecimentos de ensino.

— Um grupo de dez turistas portugueses não pode sair do Irão porque o seu voo de regresso, marcado para 2 de Março, foi cancelado. Várias companhias aéreas deixaram de voar para o país dos aiatolas. A embaixada de Portugal em Teerão acompanha o caso.

— Alguns países com casos positivos declarados: China, Itália, Coreia do Sul, Alemanha, França, Dinamarca, Grécia, Suíça, Espanha, Áustria, Roménia, Reino Unido, Noruega, Brasil, Japão, Kuwait, Paquistão, Estónia, Macedónia do Norte, Geórgia, Irão, Croácia, Estados Unidos, Malásia, Índia, Cingapura, Filipinas, Nepal, Tailândia, Camboja, Vietname. Se isto não é uma pandemia, é o quê?

— Fontes científicas britânicas alegam que os números facultados pela Itália e pelo Irão não são fiáveis. E explicam porquê.

Na imagem, do Guardian, militares desinfectam uma rua da cidade sul-coreana de Daegu. Clique.

ESTADO DE DIREITO?


O juiz-presidente de um tribunal superior jubila-se, faz um julgamento privado, e cobra 280 mil euros.

Isto não aconteceu num thriller distópico. Aconteceu em Portugal, alegadamente um Estado de Direito.

Clique na imagem do Público.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

COVID-19 OBLIGE


Segundo o New York Times, o navio italiano MSC Meraviglia foi impedido de atracar na Jamaica e nas Ilhas Cayman, duas escalas do cruzeiro.

A bordo seguem 4.500 passageiros e 1.600 tripulantes de várias nacionalidades.

Clique na imagem.

MONTIJO VS AUTARCAS


Uma lei aprovada em 2007, no primeiro Governo Sócrates, exige o parecer favorável das autarquias afectadas pela construção, ampliação ou modificação de um aeroporto. A lei foi alterada em 2010, mantendo o poder de veto dos autarcas. Continua em vigor. Ponto.

Seis das dez autarquias envolventes do Montijo estão contra a transformação da Base Aérea do Montijo (um aeródromo militar) num aeroporto civil. A Base Aérea do Montijo, inaugurada em Janeiro de 1953, continuava activa em 2019. Ponto.

Durante 66 anos, 45 dos quais em democracia, nenhum ambientalista piou de forma audível. Ponto.

Como não nasci ontem, o zelo das autarquias não me comove. Ponto.

O Governo Costa apostou no Montijo, tendo cumprido, by the book, o catecismo ambiental. Azar dos azares, ninguém se lembrou da existência da lei que dá poder de veto às autarquias. Ponto.

Parece que o PS se prepara para modificar a lei. Pedro Nuno Santos, o ministro da tutela, tem razão quando diz que um presidente de Câmara não pode ter o poder de impedir obras de interesse nacional. Nessa medida, o PS deve tentar modificar a lei. Mas, uma vez modificada, não a deve usar no Montijo. Ponto.

Agora o acessório. Embora manhosa, a solução Montijo pareceu-me aceitável. Primeiro: não tinha conhecimento do diploma que faz prevalecer a vontade dos autarcas. Segundo: supunha, como grande parte da opinião pública, que a coisa se faria depressa e a custo residual (o grosso da despesa seria suportado pela ANA, uma empresa privada). Afinal não. São quatro anos e uns quantos milhões do Estado. Quatro anos? Estão a brincar com o pagode?

Em quatro anos faz-se um aeroporto a sério.

Clique na imagem.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

COVID-19 IN PROGRESS


— DGS esclarece: Portugal tem, neste momento, duas mil camas disponíveis para isolamento.

— Em Tenerife (Canárias), o Hotel H10 Costa Adeje Palace, com 600 quartos, foi blindado. Motivo: um hóspede italiano infectado. Cerca de 1.500 pessoas, entre hóspedes e trabalhadores, estão impedidos de sair. Os hóspedes nem dos quartos podem sair. Os que estavam fora do edifício não podem regressar. O controlo é feito por militares.

— Com 293 infectados e 7 mortos, a Itália prevê aumentar o número de cidades em quarentena, uma vez que o vírus chegou a Florença, Pistoia (ambas na Toscana) e Palermo (na Sicília).

— A ligação ferroviária entre Milão a Bolonha foi suspensa.

— Ainda em Itália, os jogos de futebol vão realizar-se à porta fechada pelo menos nos próximos 90 dias.

— Na China há cerca de 90 mil infectados e cerca de 3 mil mortos.

— No Irão, o número de mortos subiu para 16. O vice-ministro da Saúde está infectado.

— Na Coreia do Sul subiu para 15.

Na imagem, o hotel de Tenerife. Clique.

FEITO


Até que enfim.
Clique na imagem do Público.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

O PORTUGUÊS DO DIAMOND PRINCESS


Quando forem 22 horas em Portugal, serão 7 da manhã no Japão. É de presumir que, por essa altura, o tripulante português do Diamond Princess alegadamente infectado com o Covid-19 seja transferido do navio para um hospital.

Factos: um homem de 41 anos, canalizador, tripulante do navio-fantasma, foi referenciado anteontem como estando infectado. Tal como todos os tripulantes, não esteve em quarentena até ao momento em que lhe foi diagnosticada a doença. Fê-lo nessa altura, por iniciativa sua.

O caso chegou à opinião pública porque sua mulher falou aos media. Terá tentado falar com os responsáveis da empresa do Diamond Princess mas, não o conseguindo, recorreu às televisões. Deu resultado. Sucessivamente, recebeu telefonemas da directora-geral da Saúde, da directora-geral dos Assuntos Consulares e do Presidente da República.

Para quem não sabe, o navio de cruzeiros Diamond Princess está atracado no porto da cidade de Yokohama (área metropolitana de Tóquio) desde o passado dia 3. As autoridades decretaram quarentena obrigatória para os 3.712 passageiros, mas não para a tripulação, composta por cerca de mil pessoas.

Três passageiros morreram. Um grupo de 637 passageiros infectados foi transferido para hospitais de Tóquio. Os restantes foram evacuados no fim da quarentena, regressando a Itália, Reino Unido, França, Ucrânia, Canadá, Estados Unidos, etc., tendo vários sido considerados infectados à chegada aos respectivos países.

O português fez teste e deu positivo. Em princípio, dentro de algumas horas, estará num hospital. A ver vamos.

Clique na imagem.

SEXTO


Morreu esta manhã o sexto paciente italiano.

Clique na imagem do Guardian, que mostra o Duomo encerrado, como todas as outras igrejas (e alguns cemitérios) da Lombardia e do Veneto.

domingo, 23 de fevereiro de 2020

VENEZA SEM CARNAVAL


Covid-19 oblige, Luca Zaia, presidente da região do Veneto, decretou esta manhã o cancelamento do Carnaval de Veneza.

Clique na imagem da edição italiana do HuffPost.

CERCO


Já são 11 as cidades italianas em regime de quarentena: Codogno, Casalpusterlengo, Castiglione d’Adda, Fombio, Maleo, Somaglia, Bertonico, Terranova dei Passerini, Castelgerundo, Sanfiorano (estas dez na Lombardia) e Vo Euganeo, no Venetto.

Na sua comunicação ao país, Conte declarou que, por enquanto, a Itália não pretende suspender o Acordo de Schengen que garante livre circulação entre 26 países europeus.

A MIDO, a maior feira de material oftalmológico do mundo, que se realiza em Milão, adiou sine die a sua abertura, inicialmente prevista para o próximo dia 29.

Convém lembrar isto porque dezenas de milhares de portugueses visitam a Itália todos os anos. A partir de Lisboa e do Porto estão disponíveis, por dia, dez ligações aéreas directas.

Na imagem do Guardian vemos a principal rua de Codogno, ontem. Clique.

sábado, 22 de fevereiro de 2020

WUHAN À ITALIANA


O Governo italiano acaba de criar zonas-tampão para tentar conter a propagação do Covid-19 que, até ao momento, afectou 76 italianos.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte esclareceu que as forças de segurança (exército incluído), têm instruções para actuar contra quem desrespeite as directivas que vão regular o quotidiano das pessoas, tais como restrições à livre circulação..

O perímetro de segurança abrange a Lombardia e o Venetto.

Na imagem, tuíte do Palazzo Chigi, a sede do conselho de ministros de Itália, em Roma. Clique.

ITÁLIA EM TRANSE


O Governo italiano encontra-se reunido de emergência para fazer face à situação crítica que se vive na Lombardia por causa do Covid-19.

Giuseppe Sala, o presidente da Câmara de Milão, mandou encerrar os serviços públicos.

Por seu turno, o presidente do Governo Regional da Lombardia, Attilio Fontana, confirmou a existência de 39 casos de pessoas infectadas.

Em toda a Itália são 64, com duas mortes nas últimas 24 horas.

O epicentro do surto epidémico é a comuna de Codogno, uma cidadezinha com dezasseis mil habitantes, que vive desde ontem em estado de emergência, tal como outras dez cidades lombardas que mandaram encerrar o comércio (supermercados incluídos), postos de abastecimento de combustíveis, restaurantes, serviços públicos, museus e empresas de serviços não essenciais. As escolas estão encerradas sine die. Os comboios não páram em nenhuma dessas cidades.

Também foram canceladas missas e eventos desportivos. A decisão partiu de Giulio Gallera, responsável máximo da Saúde na Lombardia. Nas farmácias, as máscaras esgotaram.

Entretanto, no Veneto (onze casos), equipas de protecção civil montaram um acampamento em frente a um hospital para rastrear os doentes.

A Feira da Moda de Milão encerra amanhã, como estava previsto, mas regista avultados prejuízos, pois não compareceram mais de mil empresas da China e de outros países da Ásia.

Lembrar que, em 2019, a Itália foi visitada por mais de cinco milhões de turistas chineses.

Lembrar ainda que esta nova estirpe do coronavírus foi identificada a 1 de Dezembro do ano passado, mas a realidade só foi conhecida na China a 27 de Dezembro, e no Ocidente a 5 de Janeiro. Ou seja: o gap de seis semanas em que nada se fez terá sido fatal.

Clique na imagem.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

VASCO PULIDO VALENTE 1941-2020


Morreu hoje Vasco Pulido Valente, historiador, ensaísta e cronista. O mais brilhante cronista da imprensa portuguesa dos últimos 40 anos. Tinha 78 anos.

Da sua extensa bibliografia destaco O Poder e o Povo. A Revolução de 1910 (1975), versão revista da tese de doutoramento defendida em Oxford, O País das Maravilhas (1979), A República Velha: 1910-1917 (1997), Esta Ditosa Pátria (1997), Glória, a biografia romanceada de Vieira de Castro (2001), Marcello Caetano: as desventuras da razão (2002), Um Herói Português: Henrique Paiva Couceiro (2006), Ir pró Maneta: a revolta contra os franceses (2007), De Mal a Pior (2016) e O Fundo da Gaveta. Contra-revolução e Radicalismo no Portugal Moderno (2018).

Licenciado em Filosofia, doutorado em História, oriundo do grupo de católicos progressistas reunidos na revista O Tempo e o Modo, militante do MAR (o Movimento de Acção Revolucionária de Jorge Sampaio), Pulido Valente oscilou sempre entre o PS e o PSD.

Textos seus encontram-se dispersos na imprensa de referência: Diário de Notícias, Expresso, O  Tempo, O Independente, Kapa, Observador, Público e outros.

Investigador-coordenador aposentado do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, antigo docente do Instituto Superior de Economia da mesma universidade, do ISCTE e da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, Pulido Valente foi secretário de Estado da Cultura (1980) por escolha de Sá-Carneiro, deputado do PSD (1995) e apoiante da candidatura presidencial de Mário Soares.

Foi ainda guionista de vários filmes, entre eles O Cerco (1970), de Cunha Teles, protagonizado por Maria Cabral, sua primeira mulher e mãe de sua filha, a crítica literária Patrícia Cabral. A seguir viveu três anos com Maria Filomena Mónica, casando outras quatro vezes, duas das quais com a jornalista Constança Cunha e Sá.

A foto é de Nuno Ferreira Santos, para o Público. Clique.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

EUTANÁSIA


A eutanásia foi hoje aprovada na generalidade. Os cinco projectos [PS, BE, PAN, PEV, IL] baixam agora à Comissão para serem fundidos em texto único a aprovar na especialidade, em votação final global. Sete deputados faltaram à sessão.

Imagem do Expresso. Clique.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

COLECÇÕES DO ESTADO


David Santos, 48 anos, historiador e crítico de arte, antigo director do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, bem como do Museu do Neo-Realismo (em Vila Franca de Xira), com larga experiência em curadoria artística, é o novo Curador da Colecção de Arte do Estado.

As novas funções implicam que abandone a direcção-geral do Património, onde, desde Fevereiro de 2016, exercia o cargo de subdirector-geral.

A partir de Março, David Santos terá a responsabilidade de gerir a circulação das cerca de mil e trezentas obras do património artístico público. Ou seja, de acordo com o comunicado do ministério da Cultura, «dar um novo passo no desenvolvimento de uma estratégia pública para a arte contemporânea.» Trata-se, portanto, de agilizar a prometida descentralização das colecções do Estado, em articulação com outros museus nacionais.

O David, de quem sou amigo há trinta anos, é o homem certo no lugar certo.

Clique na imagem.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

PATRIMÓNIO


Não sei se Bernardo Alabaça tem ou não tem perfil para director-geral do Património Cultural, cargo que ocupará a partir do próximo dia 24. Não o conheço.

Entretanto, convinha não misturar alhos com bugalhos. Jornais conspícuos falam dele como de um broker do imobiliário que tivesse saltado directamente da Remax para o Palácio da Ajuda.

Sucede que a nomeação, da responsabilidade do ministério da Cultura, terá tido em conta o facto de Alabaça, mestre em Finanças pelo ISCTE, ter sido anteriormente director-geral de Infraestruturas (no ministério da Defesa) e subdirector-geral do Tesouro e Finanças (no ministério das Finanças). Isto não fará dele o dirigente ideal, admito, mas há que dizer das coisas o que elas são.

Os cargos são poucos para os intelectuais da praça? Paciência.

Clique na imagem.

domingo, 16 de fevereiro de 2020

SERRALVES A TRÊS DIMENSÕES


Provavelmente o sítio mais cosmopolita do Porto, visitado por turistas de todas as origens, o Museu de Serralves distribui óculos de três dimensões de formato XXL às pessoas (um terço dos quais serão estudantes menores) que vão ver a mostra colectiva Electric.

Existem óculos para todas as pessoas? Não havendo, o museu desinfecta os que tem?

É que anda muita gente a crucificar a directora-geral da Saúde por, alegadamente, ter uma postura soft face ao problema do Covid-19 mas, neste caso concreto, nem um pio. A arte justifica o desleixo?

Clique na imagem da TVI.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

ELECTRIC


Estou há três dias no Porto mas não fui a Serralves ver Electric, a exposição de realidade virtual que junta Anish Kapoor, Nathalie Djurberg, R. H. Quaytman, Hans Berg, Koo Jeong A e Olafur Eliasson.

Ilusionismo bidimensional e realidade tridimensional não são a minha chávena de chá.

A fotografia de Paulo Pimenta inserta no Público mostra o buraco, perdão, a obra de Kapoor onde um visitante italiano do museu caiu de uma altura de dois metros e meio, tendo de ser internado no Hospital de São João, do Porto.

Comentários para quê?

Clique na imagem.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

BRASIL CENSURA


Chegou a vez de São Paulo. A portuguesa Isabela Figueiredo junta-se a outros autores (Camus, Padura, García Márquez, Harper Lee, etc.) cujos livros não podem ser distribuídos por intermédio da campanha Remissão em Rede, um programa de incentivo à leitura nas prisões do Brasil.

Este acto de censura junta-se à recente decisão dos governos estaduais da Rondônia e de Roraima de proibirem, no ensino público, a divulgação de obras clássicas de autores como Camilo Castelo Branco, Machado de Assis e outros.

Assim vai o mundo.

Na imagem, capa da edição brasileira do livro de Isabela. Clique.