sábado, 23 de fevereiro de 2019

ARNALDO MATOS 1939-2019


A propósito da morte de Arnaldo Matos, fundador do MRPP em 1970, advogado, Pacheco Pereira escreve hoje no Público um texto que põe os pontos nos is.

Lembra, por exemplo, que, «Depois do 25 de Abril, [o MRPP] entrou em choque com o MFA, tendo sido a única organização que foi sujeita a uma prisão em massa por parte dos militares no poder, com a preciosa ajuda do PCP, que os considerava “contra-revolucionários” e agentes da CIA. Arnaldo Matos foi igualmente preso e gerou um grande movimento exigindo a sua libertação

Detido pelo Copcon, a polícia revolucionária de Otelo, Arnaldo Matos foi o primeiro preso político após o 25 de Abril. E o MRPP foi proibido de concorrer às eleições para a Assembleia Constituinte.

Percebo as razões da má-vontade de muita gente contra Arnaldo Matos, porque vivi os anos em que, como recorda Pacheco Pereira, assumiu posições que o colocaram «próximo do PS e de um grupo de militares ligados a Eanes, na resistência ao PCP e às outras organizações da extrema-esquerda, como a UDP

Se estivesse vivo, faria amanhã 80 anos. A História não deve ser apagada.

Clique na imagem.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

AVISO À NAVEGAÇÃO


Na passada terça-feira, dia 19, a RTP2 começou a transmitir a segunda temporada da série sueca Vår tid är nu, dirigida por Harald Hamrell, exibida entre nós como O Restaurante.

Quem viu, sabe que o pano de fundo da história é a reconstrução da sociedade sueca após 1945, ou seja, o avanço da social-democracia: arranque da segurança social, ascensão dos sindicatos, paridade de género, etc. Personalidades políticas suecas continuam a surgir no plot.

A primeira temporada terminou em 1951. A segunda vai de 1955 a 1962, sublinhando a irrupção do rock, os direitos dos imigrantes e as identidades sexuais.

Hoje passa o 4.º episódio desta segunda temporada. Nina divorciou-se do herdeiro rico e casou com Calle, o chef de cozinha proletário. Gustaf continua escroque e a papar meninos (a mulher assiste sem querer a um fellatio). Peter, o filho pródigo, e Helga, a matriarca da família, continuam iguais a si mesmos. Uma vilã dinamarquesa, Henriette, entrou nos negócios da família Löwander. E um imigrante italiano, Angelo, vai atormentar a líbido de Gustaf.

Excelente. Clique na imagem.

SEQUEIRA COSTA 1929-2019


Vítima de cancro, morreu ontem no Kansas o pianista Sequeira Costa. Tinha 89 anos. Sequeira Costa nasceu em Luanda, mas foi ainda bebé para Lourenço Marques, cidade onde viveu até 1937, ano em que veio para Lisboa estudar com Vianna da Motta. Em 1948 foi para Londres continuar os estudos com Mark Hambourg, e mais tarde para Paris, onde trabalhou com Marguerite Long e Jacques Février, seguindo-se Edwin Fischerem em Lucerna. Não admira que o seu estilo subsuma as tradições alemã e francesa.

Aclamado em dezenas de países do mundo inteiro (China incluída), especialmente pelas suas interpretações de Bach, Chopin, Ravel, Liszt, Beethoven, Schumann, Albeniz, Busoni, Rachmaninov e Vianna da Motta, tocou com orquestras tão diferentes como a London Symphony Orchestra, a Royal Philharmonic Orchestra, a Filarmónica de Moscovo, a Filarmónica de Leningrad, a Sinfónica de Praga, a Bamberger Symphonikern (Alemanha), a Filarmónica do Japão, a Sydney Symphony Orchestra, a Tokyo Metropolitan, a Orquestra Gulbenkian e muitas outras. Da vasta discografia faz parte a integral das sonatas de Beethoven.

Aos 22 anos venceu o Grande Prémio no Marguerite Long International Piano Competition. E em 1957 fundou em Lisboa o Concurso Internacional de Música Vianna da Motta. Nesse mesmo ano, Shostakovich convidou-o a integrar o júri do primeiro Concurso Internacional Tchaikovsky, em Moscovo, função que desempenhou durante seis anos. Em 1979 criou o Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim, por onde passaram Rostropovitch, Tortelier, Alfred Brendel e outros.

Radicou-se nos Estados Unidos em 1976, ocupando o cargo de Cordelia Brown Murphy Distinguished Professor of Piano, da Universidade do Kansas. A estreia americana ocorreu em 1979, no Alice Tully Hall do Lincoln Center, em Nova Iorque. Desde então, tem feito parte dos júris dos concursos de piano mais importantes do mundo

O pianista português Artur Pizarro foi seu aluno durante dezasseis anos.

Clique na imagem.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

TERROR SUPREMACISTA

Christopher Paul Hasson, 49 anos, veterano dos Fuzileiros e actual tenente da Guarda Costeira dos Estados Unidos, preso no passado dia 16, em Maryland, tencionava levar a cabo um massacre de proporções inimagináveis, assassinando centenas de civis: congressistas do Partido Democrata, políticos esquerdistas, juízes, professores universitários, jornalistas da CNN e da MSNBC, etc. Ou seja, repetir em solo americano o massacre de 2011 na ilha norueguesa de Utøya, onde morreram cerca de 80 pessoas, na maioria jovens.

Supremacista branco neo-nazi, Hasson tinha em casa uma lista de alvos a abater: Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes (Congresso), o senador Richard Blumenthal e a congressista Alexandria Ocasio-Cortez, estão no topo. Além da lista, o FBI encontrou um vasto arsenal de armas e munições. Mas também o manifesto de Anders Breivik e grande quantidade de droga.

O original de uma mensagem enviada a amigos continua no computador: «Sonho com uma forma de matar quase todas as pessoas na terra. Penso que uma praga seria mais eficaz. Mas como adquiro a febre espanhola, o botulismo e o antraz necessários? Ainda não tenho a certeza, mas vou encontrar o modo de o fazer

Em caso de uma hipotética destituição de Trump, Hasson propõe uma guerra civil para exterminar todos os esquerdistas.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

VENCEDOR DO ÓSCAR?


Fui hoje ver A Favorita, o filme de Yorgos Lanthimos sobre a rivalidade entre as duas amantes oficiais da rainha Anne (1665-1714) da Inglaterra, Escócia e Irlanda. No papel da rainha, Olivia Colman está superlativa, mas Emma Stone e Rachel Weisz, nos papéis de Abigail e Sarah, as duas primas que disputam o leito da monarca que apenas reinou cinco anos (1702-1707), período durante o qual a Grã-Bretanha se envolveu na Guerra da Sucessão Espanhola e na invasão de França, não lhe ficam atrás. Ambas excelentes.

Nomeado para dez Óscares, o filme é muito interessante, muito cru e muito glamoroso. A fotografia de Robbie Ryan é magnífica e a música vai de Händel e Bach a Elton John.

Na imagem, Olivia Colman e, de costas, Rachel Weisz. Clique.

MOÇÃO CHUMBADA

Por 115 contra 103 votos, o Parlamento chumbou a moção de censura apresentada hoje pelo CDS contra o Governo.

PS, BE, PCP, PEV e PAN votaram a favor do Governo. PSD e CDS votaram a favor da censura. Mais do que derrubar o Governo, o intuito da moção era entalar Rui Rio.

DERRUBAR, JÁ

É hoje que a senhora Cristas avança sobre o Palácio de Inverno para lá instalar os mencheviques do Caldas?

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

SANDERS VS TRUMP?


Bernie Sanders, 77 anos, senador, independente (ex-Democrata), anunciou hoje a sua candidatura às eleições presidenciais americanas de 2020.

Não questiono as boas intenções do senador do Vermont. Até consigo imaginar os tremeliques de júbilo nos sofisticados círculos bem-pensantes da costa Leste e nas universidades da Ivy League. Mas espero que o Partido Democrata tenha juízo.

Entregar a candidatura democrata a Sanders, seria o equivalente a ter Ana Gomes como candidata oficial do PS às eleições presidenciais portuguesas.

Para brincadeiras, basta o que basta. Como sabemos, nunca se caçaram moscas com vinagre.

Clique na imagem do NYT.

KARL LAGERFELD 1933-2019


Morreu hoje o estilista alemão Karl Lagerfeld, director da Chanel desde 1982 e, nessa medida, um dos mandarins da haute couture francesa.

Natural de Hamburgo, mas criado na quinta que os pais possuíam perto de Bad Bramstedt, na região de Schleswig-Holstein, Lagerfeld transferiu-se para Paris em 1952. Discípulo de Balmain, passou por várias casas importantes (como a Fendi, que dirigiu a partir de 1965), teve a sua própria marca, mais tarde vendida, e um companheiro — Jacques de Bascher, personagem do beau monde parisiense, falecido em 1989, vítima da sida — com quem viveu dezoito anos.

Por, durante quinze anos, ter recusado pagar impostos em França, protagonizou e perdeu um litígio fiscal que o levou a pagar, em 2000, cerca de cem milhões de euros, valor inferior à dívida (260 milhões), graças ao perdão fiscal concedido por Dominique Strauss-Kahn, à época ministro das Finanças. Nessa altura vendeu parte da sua colecção de pintura e mobiliário, pondo ponto final no escândalo.

É de sua autoria a colecção de pronto-a-vestir denominada cápsula, da empresa sueca H&M. Trabalhou com vários realizadores de cinema, como Almodóvar e Zeffirelli, bem como directores de ópera e ballet.

Excêntrico, misantropo, ícone pop, proprietário de duas bibliotecas (a da mansão de Paris, onde morreu, e a da casa dos arredores de Hamburgo) que no seu conjunto acolhem para cima de trezentos mil volumes, não gostava de revelar o ano de nascimento. Nos anos 1990 submeteu-se a uma dieta que o fez perder 43 quilos. Se, como os documentos indicam, nasceu a 10 de Setembro de 1933, tinha 85 anos.

Desapareceu o Kaiser de Paris.

Clique na imagem.

ENFERMEIROS

O parecer do Conselho Consultivo da PGR publicado em Diário da República considera ilegal a greve dos enfermeiros por:

— Não corresponder ao pré-aviso [«o tempo e o modo como a greve se vai desenrolar»];

— A perda de salário não ter sido gerida e suportada pelos sindicatos que decretaram a paralisação.

Em conformidade, considera que:

— «Os descontos salariais devem ter em conta não só o período efectivo em que cada trabalhador se encontrou na situação de aderente à greve, mas também os restantes períodos que, em resultado daquela acção concertada, os serviços estiveram paralisados

Claro como água.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

AXIMAGE, HOJE


Sondagem AXIMAGE divulgada hoje no Correio da Manhã e no Negócios.

Maioria de Esquerda = 51,6%.

Sozinho, o PS ultrapassa o PSD em 12% e a PAF em 2,7%.

É muito estranha a ausência de resultado para o partido de Santana Lopes (Aliança), que deve alterar o score do PSD.

O gráfico aqui reproduzido não mostra a linha do BE, que corresponde a 8,9%.

Clique na imagem do Negócios.

MANDA QUEM PODE


Uma delegação de seis eurodeputados do grupo do PPE, chefiada pelo espanhol Esteban González Pons, tencionava encontrar-se com Guiaidó, autoproclamado Presidente interino da Venezuela.

Um deles, Paulo Rangel, do PSD, membro do PPE, perdeu o avião em Madrid, «devido a congestão de tráfego aéreo...», e não embarcou.

Os outros cinco (Pons, Esther de Lange, Ignacio Salafranca, Gabriel Mato e Juan Salafranca) embarcaram, mas foram impedidos de desembarcar em Caracas, tendo-lhes sido apreendidos os passaportes diplomáticos.

Nada disto constitui surpresa. A embaixadora da UE em Madrid tinha feito o aviso: Podem ser expulsos ou mesmo presos. Mas o senhor Pons quis levar o número até ao fim para poder tuitar.

Clique no tuíte de Pons.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

REMODELAÇÃO


A escolha de dois ministros para a lista com que o PS concorre às eleições europeias de Maio deu azo a uma mini-remodelação governamental. A posse é amanhã.

Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, escolhido para cabeça-de-lista do PS, será substituído por Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, lugar que será ocupado por Duarte Cordeiro, que sai da Câmara de Lisboa para o Governo.

Duarte Cordeiro, vice-presidente da CML até amanhã, será secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro e dos Assuntos Parlamentares.

Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, de saída para o PE, será substituída por Mariana Vieira da Silva, actualmente secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro.

O actual ministério do Planeamento e das Infraestruturas terá nova orgânica (e novo nome), uma vez que a gestão dos fundos comunitários terá ministro próprio: será Nelson de Souza, actual secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, ministro do Planeamento a partir de amanhã.

O ministério do Planeamento e das Infraestruturas passa a designar-se ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Ana Cláudia Pinho será a nova secretária de Estado da Habitação.

Tiago Antunes será o novo secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros.

Rosa Lopes Monteiro será a nova secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade.

Luís Pinheiro será o novo secretário de Estado da Modernização Administrativa.

Maria do Céu Albuquerque será a nova secretária de Estado do Desenvolvimento Regional.

Jorge Moreno Delgado será o novo secretário de Estado das Infraestruturas.

Alberto Afonso Souto de Miranda será o novo secretário de Estado Adjunto e das Comunicações.
Na imagem, Pedro Nuno Santos. Clique.

PORTUGAL NÃO MUDA


Um ajudante de pedreiro a caminho de Bruxelas  — É desta forma  inqualificável que o Observador destaca uma peça do jornalista Pedro Raínho sobre a escolha de Pedro Marques, 43 anos, actual ministro do Planeamento e das Infraestruturas, para cabeça-de-lista do PS às eleições europeias. Passaram 45 anos da queda do Estado Novo e continua tudo na mesma. Chiça!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A HORA DE ESPANHA

Sánchez marcou eleições gerais em Espanha para o próximo 28 de Abril. Se o PSOE não ganhar por maioria absoluta, tarefa difícil, nem, como alternativa, conseguir unir a Esquerda, os espanhóis podem contar com mais 50 anos de franquismo, em versão pós-moderna, mas franquismo.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

PRESUPUESTOS CHUMBADOS

Por 191 votos contra 151, foi chumbado o Orçamento de Estado de Espanha. Lá se foi o sonho do salário mínimo de 900 euros. O Governo de Sánchez já está em gestão corrente. Ainda esta semana serão marcadas as eleições gerais. A Direita quer que sejam a 14 de Abril, o PSOE prefere 14 de Maio. Acabou a Primavera de Madrid.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

ESPANHA EM TRANSE


Lembram-se da Primavera de Praga? Durou sete meses: começou a 5 de Janeiro de 1968, quando Dubček chegou ao poder, e acabou a 21 de Agosto, quando os tanques soviéticos entraram na capital checa.

A Primavera de Madrid está a chegar ao fim. Começou a 2 de Junho de 2018, quando Sánchez substituiu Rajoy em consequência de uma moção de censura contra o Governo do PP, mas tudo indica que termine antes do primeiro aniversário.

Porquê? Porque os Presupuestos (o Orçamento de Estado) vão cair. Nas Cortes, a discussão começa amanhã e a votação ocorre na quarta-feira, dia 13. Se houver chumbo, como se prevê, na medida em que a soma do PSOE e do PODEMOS não chega para aprovar o documento, a passagem pelo Senado será um pro forma.

Sánchez tem governado com o apoio dos independentistas catalães, mas Torra esticou demasiado a corda, e o Presidente do Governo de Espanha perdeu-se no labirinto. Se faz a vontade a Torra, os Presupuestos passam, mas o PSOE desaparece do mapa político de Espanha. Se faz o que deve fazer, perde os Presupuestos (e lá se vai o salário mínimo de 900 euros) e o Governo.

A manifestação que ontem, em Madrid, juntou cem mil manifestantes e os líderes do PP (Pablo Casado), de CIUDADANOS (Albert Rivera) e do partido de extrema-direita VOX (Santiago Abascal), foi um sinal claro do que aí vem. Os três tencionam mesmo aliar-se num Governo restauracionista. Ainda muita gente vai ter saudades de Rajoy.

Clique na foto de El País.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

ALBERT FINNEY 1936-2019


Vítima de infecção pulmonar, morreu ontem Albert Finney, um dos maiores actores ingleses da sua geração.

Era muito novo quando pela primeira vez o vi em Sábado à Noite e domingo de Manhã (1960), mas revi o filme anos mais tarde, e nos últimos tempos mal o reconheci em papéis secundários da saga Bourne. Mas todos nos recordamos dele em Tom Jones (1963), Crime no Expresso do Oriente (1974), O Armário (1983), Sob o Vulcão (1984), Miller's Crossing (1990), Washington Square (1997), Peixe Grande (2003) e outros.

Cinco vezes candidato ao Óscar, nunca o recebeu. Recusou a Ordem do Império Britânico e também o título de Cavaleiro com que a rainha o queria agraciar. Não obstante a sua origem proletária, Finney frequentou a Royal Academy of Dramatic Arts, privilégio hoje vedado a candidatos que não tenham passado por Eton, tornando-se um excelentíssimo actor do repertório shakespeariano.

Clique na imagem.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

DESOBEDIÊNCIA

A requisição civil dos enfermeiros foi decretada por incumprimento dos serviços mínimos em quatro hospitais:

Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto
Centro Hospitalar do Porto, integrado no Hospital de Santo António
Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga, em Santa Maria da Feira
Centro Hospitalar Tondela-Viseu, em Viseu

O que fará o Governo se a requisição civil não for cumprida?

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

A GREVE CIRÚRGICA

O Conselho de Ministros aprovou, e Marta Temido, ministra da Saúde, anunciou esta tarde a requisição civil dos enfermeiros.

Objectivo: pôr termo «a situações de incumprimento dos serviços mínimos reportados em diversos hospitais.» Não era sem tempo.